Impunidade e Desaparecidos Políticos



O regime civil-militar instaurado em 1964 levou à morte 380 pessoas, entre as quais 147 desaparecidos, termo usado para se referir àqueles cujos corpos jamais foram entregues às famílias.
A maior parte dos mortos e desaparecidos da ditadura lutava por projetos revolucionários, que iam do nacionalismo ao socialismo e foi assassinada nas dependências dos órgãos de repressão e/ou de informação do Estado, inclusive das Forças Armadas, após serem submetidos à tortura. Como política deliberadamente assumida pelo Estado, a tortura foi praticada para se obter informações que levassem à desarticulação de organizações políticas - revolucionárias ou não - de oposição ao regime. Após 1973, ano crítico da luta armada em meio aos militantes mortos, desaparecidos, presos, exilados, a ditadura, acima da lei e violando os direitos humanos mais elementares, condenou à morte arbitrariamente os que fossem, a partir de então, presos. Desaparecidos os corpos, desapareciam os rastros da tortura: o reino da barbárie, que a pratica e apaga os seus registros para o presente e o futuro. Aí onde estão muitos dos desaparecidos.



Vala de Perus - 1990
Corpos de indigentes, vítimas do esquadrão da morte e presos políticos, mostravam que a vala foi depósito de todo tipo de violência do regime militar, que tentou se proteger da grande oposição no país, eliminando seus opositores: quer os militantes, quer trabalhadores marginalizados pelo poder econômico.

O Crime da Barra (Odair José)

Cadê Patrícia?

Fernando Mendes - Meu pequeno Amigo



Tão de repente o amor se transformou
No coração dos homens maus já se acabou
E sem querer você se foi
E hoje choram por você
Na mesma rua que você brincou
Já não existe mais aquele Sol
A mesma paz
Não adianta procurar
Quem viu não vai falar
E o sonho terminou
Digam pra mim, digam pra mim onde está
E o que foi que fizeram
Com o meu pequeno amigo
Digam pra mim, digam pra mim onde está
E o que foi que fizeram
Com o meu pequeno amigo
O seu sorriso tão lindo se apagou
Naquela rua você não brinca mais
Até as flores do jardim entristeceram
Sentiram sua falta, morreram
Na mesma rua que você brincou.....

Nenhum comentário:

Postar um comentário